terça-feira, 28 de agosto de 2012

IR AO CINEMA SOZINHO: UMA ANGÚSTIA


Eis que numa dessas noites de insônia, me vem, derradeira, absoluta e inquestionável, a seguinte constatação: detesto ir ao cinema sozinho. 

Mia Farrow em The Purple Rose of Cairo, do Woody Allen

Sempre fui desses que afirma aos quatro ventos, categoricamente, que não há nada melhor que ir sozinho ao cinema. Desses que afirma que o filme será absorvido com muito mais clareza se não há aquela pessoa chata insistindo em fazer perguntas e comentários durante o decorrer da projeção. Sem contar que há todo um mundo de possibilidades à sua espera. E tudo só para você. Ir ao cinema sozinho virou sinônimo de independência, de liberdade, de autonomia. Você é um cara bem resolvido e maduro se não se importa em sair de casa desacompanhado num domingo à noite para assistir um filme no cinema e enfrentar uma multidão de namorados lambe-lambe. Ba-le-la. Tudo mentira para massagear o ego dos cinéfilos. Se você não for a maldita Amélie Poulain, ir ao cinema sozinho será um martírio, uma experiência excruciante e dolorosa, uma viagem torturante e asfixiante ao obscuro mundo da solidão. Tudo de ruim que pode acontecer na sala de cinema fica inevitavelmente 10x pior. Eis aqui algumas situações com as quais você, sozinho nessa empreitada, muito provavelmente irá se deparar: 

1) Expectations vs. reality. Você criará expectativas de que encontrará um crush que se afundará em lágrimas na mesma cena do filme em que você. Achará que ele/a também vai notar isso, que se apaixonarão instantaneamente e que em 2 meses já estarão morando juntos num apê muito bem decorado e distante da cidade, dividindo sonhos e alegrias e dívidas no cartão de crédito. ERROR 404. Nos casos mais extremos, esperará que o personagem principal salte da tela de projeção e se apaixone por você, assim como aconteceu com a Mia Farrow em The Purple Rose of Cairo – um dos melhores filmes já feitos (por motivos muito aparentes).

2) Ultrassensibilidade à qualquer ruído. A menor risada da pessoa ao lado fará com que você se sinta num picadeiro com centenas de pessoas gargalhando (de você). O barulho da pessoa comendo pipoca na fileira atrás será mais audível que todas as explosões do filme. Um pandemônio sem fim. “Socorro! Alguém faz essas pessoas pararem, por favor!”, pensa você revoltado com o fato de ninguém parecer se importar com todo aquele tumulto ensurdecedor.

3) RecalqueTodos estarão acompanhados e apaixonados e as únicas pessoas sozinhas no cinema inteiro serão você e aquele senhor gordo de 60 anos sentado do outro lado da fileira (que, por sinal, não tira os olhos de você). Além disso, qualquer simples troca de afagos que esteja à sua vista será potencializada à última potência do recalque e você se sentirá um voyeur solitário observando uma orgia dionisíaca onde todos estão tendo seu momento de prazer carnal. Exceto você, claro.

4) Misantropia. Ir ao cinema sozinho – e se submeter a todas as situações acima – será uma experiência tão frustrante que você sentirá total desprezo pela raça humana durante e ao sair da sala de projeção. O sentimento de repulsa poderá te perseguir por horas, dias, semanas ou por toda a vida. Mas tudo isso, claro, se o filme assistido não for tão absolutamente maravilhoso, identificável e life-changing como Bridget Jones’s Diary.

Portanto, caro interlocutor, se você 1) se identificar com esse relato, 2) compactuar com a ideia de que cinema é uma experiência essencialmente coletiva, ou 3) concordar que  a revolta com a falta de educação alheia pode ser amenizada quando dividida, não hesite em chamar este que vos fala para ir ao cinema. É sempre bom poder compartilhar com alguém. Sejam lágrimas, sejam sorrisos. Ou, claro, fluidos corporais. 

2 comentários:

  1. O maior problema do cinema, seja sozinho ou acompanhado, são as palmas ao fim da projeção.

    No mais, solidão na cadeira desconfortável é uma coisa que eu gosto de aguentar. Bem mais que solidão em casa, eu acho.

    ResponderExcluir
  2. Olha, fiquei com vontade de te chamar pra ir ao cinema.

    Acho que a pior parte é os risos que sempre parecerão que é para você, a entrada e a saida, porque todos vão ver que você está sozinho. Mas acho que quando o filme é bom e ninguem mais quer ir, vale a pena.

    ResponderExcluir